Este caminho nos transforma em apóstolos da oração na vida diária. São nove passos para viver profundamente unidos ao Coração de Jesus, ao serviço da sua missão. Este caminho é proposto a quantos desejam participar mais ativamente na Rede de Oração do Papa (por meio de retiros, encontros, palestras nas nove primeiras sextas-feiras do mês, etc.), tendo como referência as orientações para a missão que o Papa dá cada mês, através das suas intenções.

1. No princípio está o amor

Amei-te com amor eterno… (Jeremias 31,3)

A Palavra primeira e permanente da nossa vida de fé é o amor eterno do Pai. É o que Ele continuamente nos está a querer dizer e reflecte-se em tudo aquilo que faz por nós em cada dia: Amo-te. É a sua essência “Deus é amor” (1Jo 4,8), não pode não amar-nos. O Seu amor é incondicional e imutável. É o princípio e o fundamento do nosso caminho espiritual, pois a nossa vida tem início graças ao Seu amor, é sustentada por Ele e um dia irá ser recebida no Seu amor. Reconhecer esse amor leva-nos a corresponder-lhe.

2. O Coração humano, inquieto e necessitado

Senhor, sois o meu Deus, desde a aurora Vos procuro. A minha alma tem sede de Vós como terra árida, sequiosa, sem água. (Salmo 62,1)

Propomos aqui um itinerário de fé, de oração e de vida, adequado a quem está em busca interior, reconhece a sua necessidade espiritual e quer receber Jesus Cristo no seu coração. É o caminho dos humildes, onde a própria fraqueza e vulnerabilidade não são um impedimento, mas sim o melhor capital para o encontro com um Deus que se inclina para o pobre.

3. Num mundo sem coração

O meu povo cometeu um duplo pecado: abandonando-me a mim, fonte de água viva, e fizeram as suas as próprias cisternas, cisternas rotas, que não retêm água. (Jeremias 2,13)

Mas o mundo em que vivemos está também ferido por dolorosas contradições que causam morte e destruição. A vida e o amor são muitas vezes afogados pela violência e pelo egoísmo. Os pequenos e mais vulneráveis ​​sofrem a agressão dos poderosos, os recursos naturais são devastados, há tristeza e solidão. Separamo-nos dos caminhos do amor de Deus e do Seu projecto para a humanidade.

4. O Pai envia o Seu Filho para salvar

Vou fazer algo novo, e já está a nascer, não o notam? (Isaías 43,19)

O Pai não nos abandonou neste mundo sem coração. Falou-nos do Seu amor muitas vezes e de muitos modos através dos profetas e nestes tempos que são os últimos fê-lo através do Seu Filho feito homem, Jesus, o Cristo (cf. Hebreus 1,1). Junto d’Ele aprendemos a reconhecer o Espírito de Deus a agir no nosso mundo, fazendo nascer algo novo, mesmo entre sofrimentos e dificuldades.

5. Chama-nos Seus amigos

Eu te chamei pelo nome, tu és meu. Tu tens um grande preço aos meus olhos, és precioso e eu te amo. (Isaías 43, 1 e 4)

Jesus Cristo chama-nos Seus amigos e convida-nos a uma aliança de amor pessoal, íntima e afectiva com Ele. A amizade com Ele leva-nos a olhar o mundo com os Seus olhos, a sofrer com os Seus sofrimentos e a alegrar-nos com as Suas alegrias, a oferecer as nossas pessoas para trabalhar com Ele em favor dos nossos irmãos e irmãs.

6. Habitados por Cristo

Naquele dia compreendereis que Eu estou no meu Pai, e vós em mim e Eu em vós (João 14,20)

No excesso do Seu amor por nós, Deus deseja habitar nos nossos corações. Deus quer estabelecer a Sua morada em cada um de nós. É o que desejamos e pedimos em cada dia, com coração de pobre, sabendo que alcançar esta graça nunca será fruto apenas dos nossos esforços. Acreditamos que esta identificação com Cristo nos é dada de modo privilegiado na Eucaristia.

7. Damos a vida com Ele

Esta pobre viúva deu mais do que todos os outros… porque na sua pobreza, deu tudo o que tinha para viver. (Marcos 12,43-44)

Unir a vida a Cristo leva-nos a dar a vida pelos outros tal como Ele o fez. Faz-nos descobrir que, apesar da nossa pobreza e limitação, a nossa vida é útil aos outros. Saber-nos amados, escolhidos e habitados por Ele,  dá-nos dignidade, enche-nos de gratidão e torna-nos capazes de responder a tanto bem recebido oferecendo a própria vida em disponibilidade à sua missão.

8. Uma missão de compaixão

O Senhor enviou-me a curar os corações feridos. (Isaías 61,1)

Deus, o Pai de Jesus e nosso Pai, quer fazer presente a Sua compaixão no mundo em nós e através de nós, seus discípulos. Somos convidados a fazer nosso o Seu olhar sobre a humanidade e agir com os sentimentos do Coração de Jesus. Unimo-nos espiritualmente a todos aqueles que, em diferentes culturas ou tradições religiosas, são dóceis a este Espírito e se mobilizam para aliviar o sofrimento dos mais fracos.

9. Uma rede mundial de oração e serviço atenta às necessidades da humanidade

Não fiquem em silêncio aqueles que invocam o Senhor, não O deixem descansar… até que rompa a aurora da sua justiça e a sua salvação brilhe como uma tocha. (Isaías 62,1.6-7)

O Apostolado da Oração é uma rede mundial de oração ao serviço dos desafios da humanidade e da missão da Igreja, que reconhecemos nas intenções mensais de oração propostas pelo Papa.

Para participar a la Red Mundial de Oración del Papa.